sábado, abril 15, 2017

Tarde

A tarde moveu-se pelas horas,
logo a seguir ao almoço.
Vinha lenta -
alquebrada por uma obesidade de abafos,
trespassou-nos a todos
antes de se sentar.

Espraiado sobre a relva, fui-me deixando estar.
Diluíu-se na atmosfera
a respiração dos animais.
E as brisas frescas
sopraram o meu corpo incandescente,
como uma pedra ao sol -
só que, em vez de imóveis,
as arestas de carne
vibraram vivas e desconcertadas.

como se do meio das árvores,
não anunciados:
um beijo de ternura
e um abraço de água.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial